terça-feira, junho 13, 2006

O coveiro



Esta ilustração eu fiz por acaso, usando como referência uma foto (que posteriormente, fui descobrir que era a mesma foto de um dos cd's do Nightwish, mas não sei qual). Aí, olhando demoradamente pra ela, me veio muito forte na memória uma linda poesia do Augusto dos Anjos. Para quem não conhece, ele é o maior expoente da nossa escola Simbolista, no âmbito de poesia, é claro.

Esta poesia é uma das mais lindas declarações de amor que eu já li... gosto demais dela!!!

O coveiro
Uma tarde de abril suave e pura
Visitava eu somente ao derradeiro
Lar; tinha ido ver a sepultura
De um ente caro, amigo verdadeiro.

Lá encontrei um pálido coveiro
Com a cabeça para o chão pendida;
Eu senti a minh' alma entristecida
E interroguei-o: "Eterno companheiro

Da morte, quem matou-te o coração?"
Ele apontou para uma cruz no chão,
Ali jazia seu amor primeiro!

Depois, tomando a enxada, gravemente,
Balbuciou, sorrindo tristemente:
"-Ai, foi por isso que me fiz coveiro!"

Augusto dos Anjos

Nenhum comentário: